O que preciso saber para fazer um safári na África?

Estar cara a cara com a natureza na África é uma experiência impactante, especialmente para quem vive no ambiente urbano.

Ver de pertinho, na savana, animais como elefantes, leões… Isso é tão distante do dia a dia que muita gente não imagina como planejar esse tipo de viagem – e nem o que esperar dela. A seguir, dicas preciosas para você ajustar as expectativas e planejar o seu primeiro safári:

É garantido ver os “Big Five!”?
Ao visitar os parques nacionais da África, entramos em contato com a vida selvagem – algo bem diferente de ir ao zoológico. Ainda que as chances de ver os cinco animais mais perigosos da savana (os chamados “big five”: búfalo, leão, elefante, leopardo e rinoceronte) sejam enormes, lidar com a natureza é jogar com a sorte. Ao circular pelo Kruger National Park, na África do Sul, ou pelo Serengeti National Park, na Tanzânia, é provável que você viva grandes momentos de emoção a poucos metros de grandes felinos; mas certamente haverá outros de calmaria, em que os animais parecem ter desaparecido. Para curtir uma viagem de safári, é preciso entender que o bacana dessa experiência não se resume a fotografar os “big five” para postar nas redes sociais, mas sim enxergar a beleza da natureza como um todo.

Quantos dias devo dedicar ao safári?
Você precisa adaptar-se ao ritmo da natureza (porque o contrário não vai acontecer). É possível que em apenas um dia você veja centenas de animais e se dê por satisfeito. Mas, em geral, ter uma boa ideia do que a savana pode oferecer requer um pouco mais de tempo. Três dias em uma mesma reserva com dois game drives (os passeios de 4X4 para avistar a bicharada) ao dia costuma ser uma boa dosagem. Tenha em conta que a rotina em um lodge de safári começa antes do amanhecer e envolve muitas horas de passeio, o que pode ser cansativo para certas pessoas. Portanto, ao incluir mais de um parque ou reserva na mesma viagem, vale a pena fazer uns dias de intervalo entre um e outro. Se você estiver visitando as reservas da região do Kruger National Park, por exemplo, pode tirar uns dias de “folga” nos arredores do belíssimo Blyde River Canyon.

Quais as vacinas necessárias?
Todos os países do sul e sudeste da África exigem certificado internacional de vacinação contra a febre amarela para brasileiros. Também é recomendável estar vacinado contra as hepatites A e B, febre tifoide, difteria e sarampo. A malária está presente em praticamente todos os países que oferecem safáris na África. Mas, em algumas regiões (como grande parte do território da África do Sul e da Namíbia, por exemplo), o risco de contrair a doença é mínimo ou inexistente. Informe-se sobre a situação no destino ao qual pretende viajar e consulte um médico para decidir qual medicamento utilizar para a prevenção.

Qual a diferença entre reservas privadas e parques nacionais?
Os grandes parques nacionais africanos estão cercados de reservas privadas e, às vezes, têm áreas particulares dentro de seu próprio território. Em geral, não há cercas separando os animais. Já o acesso a essas parcelas privadas é reservado aos hóspedes de seus lodges. Ou seja, quem fica ali pode avistar os mesmos animais, mas certamente topará com menos turistas do que nas áreas públicas. Outro diferencial é que, nos parques nacionais, os carros quase sempre precisam se ater às trilhas demarcadas (no Kruger, grande parte delas é asfaltada, apropriada até para carros comuns) enquanto nas áreas particulares o 4X4 pode penetrar na savana e chegar mais perto dos bichos.

Não é perigoso chegar tão perto de animais selvagens?
Nos bons lodges africanos os hóspedes são acompanhados por rangers (guias) nativos e/ou com muitos anos de experiência que reduzem os riscos ao mínimo. Mas a segurança também depende do próprio viajante, que deve seguir todas as orientações do guia: manter silêncio (ou falar baixo), não usar o flash da câmera fotográfica, não atiçar os animais.

Vale a pena levar as crianças?
Em geral, maiores de 10 anos podem participar das expedições (os chamados game drives). No entanto, esse tipo de passeio costuma durar várias horas e requer bastante paciência, além de um comportamento apropriado para a ocasião. Sendo assim, o programa costuma ser mais divertido para crianças a partir de 12 anos ou um pouco mais. Alguns lodges não aceitam menores de idade; outros têm até babysitter para os pequenos e atividades especiais para entretê-los enquanto os pais exploram a savana.

DEIXE UM COMENTÁRIO